Se preferir navegue por Categoria



Sistema Operacional Android 11
Disponibilidade 
2021/4
Dimensões 
168.07 x 75.53 x 8.89 mm
Peso 
202 gramas



REDE
Sim Card Nano
Dual Sim 
Dual Stand-by (também disponível single SIM)
Gsm 
Quad Band (850/900/1800/1900)
HSPA+ Sim
LTE Sim
5G Sim
Velocidade máxima de download 7500 Mbps
Velocidade máxima de upload 3000 Mbps







DADOS TÉCNICOS
Processador 1x 2.99 GHz Kryo 680 + 3x 2.42 GHz Kryo 680 + 4x 1.80 GHz Kryo 680
Chipset 
Snapdragon 888 Plus Qualcomm SM8350-AC
64 Bit 
Sim
GPU 
Adreno 660
RAM 
8 GB
Memória Max 
256 GB
Memória Expansível
Não



TELA
Polegadas 6.8
Resolução 
1080 x 2460 pixel
Densidade de pixels 
395 ppi
Tipo 
TFT LCD
FPS 
144 Hz
Cores 
16 milhões




CÂMERA
Megapixel 108 Mp + 8 Mp + 2 Mp
Resolução 
12000 x 9000 pixel
Tamanho do Sensor 
1/1.52 "
Aperture Size 
F 1.9 + F 2.2 + F 2.4
Estabilização 
Digital
Ângulo máximo 
120 °
Autofoco 
Sim
Foco por toque 
Sim
Flash 
Dual LED
HDR 
Sim
Localização 
Sim
Detecção facial 
Sim
Câmera Frontal 
16 Mp F 2.2


VÍDEO
Resolução da gravação 4K (2160p)
Auto focagem de vídeo 
Sim
FPS da gravação 
30 fps
Estabilização de vídeo 
Sim
Stereo Sound Rec 
Sim
Vídeo Câmera Frontal 
Full HD, 30fps
 




CONECTIVIDADE
Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac/6e
Bluetooth 
5.2 com A2DP/LE
USB Type-C 3.1
NFC 
Sim
GPS 
A-GPS/GLONASS/Galileo/LTEPP/SUPL





SENSORES
Acelerômetro Sim
Proximidade 
Sim
Giroscópio 
Sim
Bússola 
Sim
Impressão digital 
Sim
Gesto 
Sim
Mic. de Redução de Ruído 
Sim



FUNÇÕES
Radio FM Não
Tv Não
Vibração  Sim
Viva Voz Sim
Outros Wi-Fi Direct
Wi-Fi hotspot


BATERIA
Tipo 
LiPo
Ampere 
5000 mAh
 

Imagem: Reprodução (GMM's)

O Google domina completamente o mercado de buscas no mundo e usa como base algoritmos para tentar encontrar o resultado que mais se aproxima do que o usuário deseja. No entanto, o You.com foi lançado como uma alternativa e tenta mostrar que o sistema da gigante não é a única maneira de rankear resultados de pesquisa.


O You.com não mostra uma série de links de forma linear, como o Google, mas sim classifica os resultados de acordo com a fonte. Sendo assim, ao buscar um termo é possível ver diversos links do Wikipedia sobre ele, por exemplo, mas também uma sequência de matérias da BBC ou de outros sites de notícias. O sistema utiliza cards que são exibidos de forma para tentar aproveitar melhor o espaço de tela do usuário.

Imagem: Reprodução (GMM's)

Novo buscador com novo sistema
Outro destaque do sistema de buscas do You.com é que ele permite os usuários classificarem “positivamente” ou “negativamente” as categorias. Com isso, o mecanismo pode se aperfeiçoar para mostrar as fontes que você destaca como sendo as melhores primeiro.

Imagem: Reprodução (GMM's)

O site ainda está em versão beta então apresenta ainda certa lentidão e pode ter problema para mostrar alguns resultados. Algumas categorias também acabam exibindo links próximos aos mesmos do Google, mas a interface incentiva os usuários a ver outros conteúdos sobre o tema. Também por ainda estar no início, o site ainda não é capaz de desvendar perguntas, como o Google faz. Então o ideal é procurar termos específicos e não perguntas como “quantos anos tem o Tom Hanks?”, por exemplo.

O You.com foi fundado por ex-funcionários da Salesforce, companhia especializada em nuvem e software para empresas. A plataforma anunciou recentemente uma rodada de financiamento de US$ 20 milhões liderada pelo CEO da Salesforce, Marc Benioff.

Ao contrário da maior parte dos outros buscadores, o You não tenta ser um clone do Google e parte para um caminho diferente. Resta saber se vai ter espaço para a plataforma em um mercado já completamente dominado pela gigante das buscas.


A internet que conhecemos hoje começou a ser desenvolvida há mais de 50 anos. Na época batizada de ARPANET, a rede era bastante arcaica, mas já tinha conceitos parecidos com os atuais. Aliás, não é atoa que a ARPANET é conhecida como a “mãe” da web atual.

No entanto, para que a ARPANET entrasse no ar em 29 de outubro de 1969, alguém precisou ter criado ela, mas quem foi? Em comemoração aos 52 anos da criação da “mãe” da internet (ou uma delas), o Olhar Digital preparou uma série de matérias especiais sobre essa tecnologia que, sem dúvida, mudou os rumos da humanidade.


Primeiro é importante entender que a ARPANET foi criada pelos Estados Unidos durante o auge da Guerra Fria e bom, como quase tudo criado por eles nessa época, a principal intenção com a rede de computadores conectados era o uso militar. Essa versão da web foi desenvolvida para transmitir informações confidenciais de forma mais eficiente entre os diversos departamentos do governo americano.


Sendo de uso militar, é esperado que a ARPANET tenha sido criada justamente pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, mas especificamente pela então Agência de Projetos de Pesquisa Avançada (ARPA na sigla em inglês), que era ligada ao órgão de defesa. Com isso em mente, saiba que não foi apenas uma pessoa que desenvolveu essa tecnologia.

Sala na UCLA onde aconteceu a primeira conexão à ARPANET, hoje Kleinrock Internet Heritage Site and Archive. O “armário” bege no canto direito é um IMP, o primeiro roteador.

Quem criou a ARPANET?
No geral, os conceitos de design da rede foram desenvolvidos por um grupo de cinco cientistas: Leonard Kleinrock, Paul Baran, Donald Davies e Lawrence “Larry” Roberts. Mas eles não foram, nem de longe, os únicos envolvidos com o projeto. Robert Kahn e Vint Cerf trabalharam nos protocolos de comunicação entre computadores TCP/IP, utilizando conceitos do francês Louis Pouzin.

Lawrence “Larry” Roberts (Imagem: Divulgação)

Bom, já sabemos quem foram os principais cientistas responsáveis, mas quem teve a ideia da ARPANET? O conceito de uma rede de computadores interligados já existia bem antes da rede ser desenvolvida. O cientista da computação Joseph Carl Licklider, em 1963, foi um dos primeiros a detalhar a ideia. Isso fez, justamente, com que ele fosse contratado pela ARPA.



Mesmo que Licklider tenha deixado a agência antes que fosse colocado no projeto, foi ele quem convenceu Ivan Sutherland e Bob Taylor de que era importante desenvolver a ARPANET. Então aqui temos os dois responsáveis por levarem o projeto para a agência.

Na ARPA, Charles Herzfeld foi convencido pela dupla a financiar o projeto e, a partir daí, começou o desenvolvimento. O relatório inicial foi criado por Larry Roberts, que propôs todo o plano para que a ARPANET ganhasse vida. A equipe ainda ganhou o auxílio que Frank Heart e incluiu Robert Kahn e Howard Frank, que lideraram o grupo dos sete cientistas iniciais mencionados no começo da matéria.

Com tantos nomes, vamos relembrar alguns que se destacaram:

  • Lawrence “Larry” Roberts é considerado o principal nome do projeto da ARPANET. Foi ele quem teve a ideia de partilhar recursos através da rede que estava sendo desenvolvida para acelerar o processo. Larry já havia atuado também no MIT e tinha experiência com computação.
  • Robert Kahn foi o responsável pela criação do Transmission Control Protocol (TCP), utilizado até hoje para transmitir dados pela internet.
  • Howard Frank foi PhD em engenharia elétrica e co-escreveu a proposta que foi aprovada pela ARPA. Antes disso, trabalhou na criação de um sistema de dutos de gás natural nos EUA.

  • Leonard Kleinrock é engenheiro e cientista da computação e professor de ciência da computação da Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas da Universidade da Califórnia em Los Angeles. Ele criou a teoria das filas, usada como base para a tecnologia que criou a ARPANET.

  • Ivan Edward Sutherland foi um especialista em informática que desenvolveu o editor gráfico Sketchpad, em 1963, para o MIT, aplicação considerada revolucionária na época.

Esses são apenas alguns dos dezenas de cientistas e especialistas que trabalharam no projeto. A ARPANET permaneceu um projeto governamental até 1990, quando foi dissolvida. Seus principais usuários eram centros de pesquisas, universidades e empresas que trabalhavam em projetos para a DARPA, e o uso comercial era proibido. Foi só em 1989 que o grande público pôde participar, ainda que de forma indireta.


Instalando o Windows 11 em um dispositivo que não atende a requisitos mínimos do sistema do Windows 11 (Deixamos bem claro que não é recomendado). Se você escolher instalar o Windows 11 em hardware não qualificado, você deverá estar familiarizado em assumir o risco de ter problemas de compatibilidade e alguns bugs.


Seu dispositivo pode não funcionar corretamente devido a estes problemas de compatibilidade ou outros problemas. Os dispositivos que não atendem a esses requisitos do sistema não serão mais garantidos para receber atualizações, incluindo, mas não são limitados a atualizações de segurança.

O aviso de isenção de responsabilidade a seguir se aplicará se você instalar o Windows 11 em um dispositivo que não atenda aos requisitos mínimos do sistema:


Antes de instalar o Windows 11
Se você não tiver certeza se o seu dispositivo atende aos requisitos mínimos do sistema do Windows 11 e já tem o Windows 10 instalado, você pode baixar o aplicativo de Verificação de integridade do PC, que avaliará a qualificação e identificará os componentes do seu dispositivo que não atendem aos requisitos mínimos. O aplicativo também será vinculado a informações que detalham as etapas que você pode executar para fazer com que seu dispositivo atenda aos requisitos mínimos do sistema. 

Mudando ou Criando uma Chave de Registro antes de instalar o Windows 11
 Antes de instalar o Windows 11 você precisa criar os seguintes valores-chave de registro e ignorar a verificação para TPM 2.0 (pelo menos TPM 1.2 é necessário) e a família e modelo da CPU, Para criar uma nova chave vá até a Lupa do menu iniciar e digite "Editor do Registro" Click e logo em seguida entre nas pastas com os nomes que mostramos abaixo:

Chave de registro: HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\Setup\MoSetup


Nome: AllowUpgradesWithUnsupportedTPMOrCPU


Tipo: REG_DWORD


Valor: 1

ATENÇÃO: se você encontrar esses mesmos valores acima em seu registro o seu Windows 11 estará pronto para ser instalado através de uma mídia física/Pen Drive, se não aparecer essa configuração acima você precisará criar essa chave com os mesmos valores acima, click com o botão direito do Mouse e em "Novo" escolha "Valor DWORD 32 Bits", renomeia com "AllowUpgradesWithUnsupportedTPMOrCPU" dê um duplo click depois que renomear e no campo "Dados do valor" digite apenas o número 1 e click em "OK", depois desse passo você poderá acessar o link abaixo e baixar o instalador do Windows 11 em um Pen Drive com espaço superior a 8GB

"Click aqui para baixar o instalador do Windows 11 no seu Pen Drive"

Depois de instalar o Windows 11
Se você estiver enfrentando problemas após a atualização para o Windows 11 e seu dispositivo não atender aos requisitos mínimos do sistema, recomendamos que você volte para o Windows 10. Selecione Iniciar > Configurações > Sistema > Recuperação > Voltar.

Essa opção só estará disponível por 10 dias após a atualização. Depois disso, os arquivos necessários para executar essa função serão removidos para liberar espaço em disco em seu dispositivo.

Fonte: Microsoft

WhatsApp, Instagram e Facebook caíram devido a uma grande interrupção.



Os três aplicativos - todos de propriedade do Facebook e executados em infraestrutura compartilhada - pararam de funcionar completamente pouco antes das 13h. Outros produtos que fazem parte da mesma família de aplicativos, como o Facebook Workplace, também pararam de funcionar.


Os visitantes do site do Facebook simplesmente viram uma página de erro ou uma mensagem informando que o navegador não conseguiu se conectar. Os aplicativos WhatsApp e Instagram continuaram funcionando, mas não mostraram novos conteúdos, incluindo mensagens enviadas ou recebidas durante os problemas.

As interrupções do Facebook acontecem relativamente raramente, mas tendem a ter um grande impacto, até porque afetam três dos maiores aplicativos do mundo.


A empresa costuma ser enigmática quanto às causas de quaisquer problemas e não tende a explicá-los mesmo depois de resolvidos. Em 2019, por exemplo, sofreu sua maior paralisação em anos - e disse apenas que havia “havido um problema” durante “operações de manutenção de rotina”.


Em uma publicação publicada no The Verge em 2019, o presidente-executivo Mark Zuckerberg observou que tais interrupções são um “grande negócio”. Quaisquer problemas muitas vezes podem levar as pessoas a começar a usar concorrentes em vez disso, e observou que pode levar “meses” para reconquistar a confiança e trazer as pessoas de volta às plataformas do Facebook - se é que voltam.

Em comunicado em sua conta oficial no "Twitter" o facebook publicou o seguinte comunicado.

Movido por reator de sal fundido, tipo moderno de reator nuclear, e sem emitir CO2, Terra 300 é projeto que mescla luxo dos superiates com a pesquisa científica

O Terra 300 quer mesclar o luxo dos superiates com a pesquisa científica para criar um meganavio livre de emissõesCortesia/Earth 300

Símbolo máximo de riqueza, os superiates tiveram um grande aumento na demanda durante a pandemia, à medida que os ultra-ricos ansiavam por privacidade e distanciamento social em sua forma mais luxuosa e exclusiva.

Os pedidos fluíram, aumentando a frota global crescente de milhares de superiates – definidos como barcos de luxo com pelo menos 25 metros de comprimento e tripulação profissional.

Grandes superiates têm um impacto desproporcionalmente negativo no planeta. De acordo com um cálculo feito por antropólogos da Universidade de Indiana, um superiate que tenha uma tripulação permanente, um heliporto, submarinos e piscinas emite mais de 7.000 toneladas de CO2 por ano.

Multiplicado por 300 – aproximadamente o número de superiates em todo o mundo que cabem nessa conta – isso equivale a mais de 2 milhões de toneladas de CO2, mais do que as emissões anuais individuais de cerca de um quarto de todos os países do mundo.

Agora, uma nova proposta para esse tipo de embarcação visa alavancar a aura de luxo do superiate e mesclá-lo com a pesquisa científica para criar um meganavio livre de emissões que reunirá cientistas do clima e os ricos em uma ousada busca para salvar o planeta.

“Por que não pegar as pessoas mais ricas do mundo, reuni-las com os cientistas mais inteligentes e brilhantes e permitir que experimentem em primeira mão o que está acontecendo?”, questiona Aaron Olivera, empresário nascido em Gibraltar, residente em Singapura, que está por trás da ideia.

“As pessoas ricas podem entrar na Internet e comprar o que quiserem, mas não podem comprar um novo modelo mental para ver o mundo.”

Supercomputador flutuante
Se for construído, o novo navio, batizado de Terra 300 (Earth 300, no original em inglês) em referência ao seu comprimento de 300 metros, destronaria até mesmo o maior superiate do mundo – o Azzam de 179 metros, de propriedade da família real de Abu Dhabi.

O projeto preliminar é elegante e ousado, com uma esfera única de 13 andares que abrigará duas dúzias de laboratórios científicos. Eles coletarão dados das viagens do navio para, com sorte, encontrar soluções que ajudem a mitigar a crise climática.

Aaron Olivera, empresário por trás do projeto, quer empregar sistema de propulsão usando tecnologia nuclear experimental / Cortesia/Earth 300

Desenvolvido em uma plataforma de código aberto para permitir que a comunidade global participe, eles será apoiado por um computador quântico, um novo tipo de computador que emprega as propriedades da mecânica quântica para atingir velocidade e potência incríveis.

Como grande parte da tecnologia que Olivera espera incorporar ao Terra 300, o computador quântico ainda não está disponível comercialmente, mas atualmente é objeto de estudos experimentais por empresas como Google e IBM.

A maior parte da capacidade do navio, de 425 pessoas, será ocupada por dois grupos principais: 165 tripulantes e 160 cientistas.

Haverá também 20 alunos e um grupo de 20 especialistas residentes – economistas, engenheiros, exploradores, artistas, ativistas e políticos – formando um “caldeirão multidisciplinar”, diz Olivera.

Os únicos hóspedes pagantes serão turistas ricos que ocuparão as 20 suítes VIP do navio, a um custo projetado de pouco mais de US$ 1 milhão por pessoa, para financiar a ciência.

Mas esqueça a exclusividade.

“Este navio será um computador flutuante que permitirá que pessoas de todo o mundo participem da jornada. Isso significa que esses indivíduos ricos que estarão a bordo terão que compartilhar a experiência com o mundo, não apenas entre eles”. disse Olivera.

Uma embarcação global
Megaiate Terra 300 foi projetado para ser totalmente livre de emissões de CO2 / Cortesia/Earth 300

Olivera diz que prevê que o Terra 300 se torne um objeto icônico de sua geração e faz comparações com a tocha olímpica e a torre Eiffel.

“Estamos construindo este navio porque a mudança climática é um problema global, então ela precisa de um veículo global”, diz ele, acrescentando que os oceanos são o coração pulsante do planeta, porque absorvem a maior parte do carbono.

Mas ele também queria que as pessoas se reunissem em um ambiente confinado, experimentando algum senso de aventura e até mesmo perigo.

“Os laços feitos em um navio são muito diferentes dos feitos em um edifício estático. Quando foi a última vez que você teve uma aventura dentro de um edifício?”

Olivera, que tem experiência no mundo do luxo e da hospitalidade em Singapura, diz que a inspiração para o Terra 300 veio quando ele estava mergulhando nas Maldivas e viu os corais morrendo.

Ele vê o navio como uma forma de combinar dois mundos em conflito – luxo e ambientalismo.

“Queremos criar uma nova marca de explorador esclarecido, para virar a maré na maneira como as pessoas veem os ricos e mostrar que podem e devem liderar o caminho”, diz ele.

A ideia de um navio de pesquisa de luxo não é inteiramente nova. REV Ocean, um projeto similar da Noruega, é um superiate de 180 metros de comprimento estimado em US$ 350 milhões, e projetado para investigar a pesca predatória, as mudanças climáticas e a poluição por plástico.

Financiado pelo magnata da pesca e da perfuração de petróleo Kjell Inge Røkke, deveria ser lançado em 2022, mas o projeto foi adiado por três a cinco anos devido a problemas com a construção do navio.

Em US$ 700 milhões, o custo projetado do Terra 300 é o dobro do REV Ocean, e Olivera está procurando estaleiros na Alemanha e na Coreia do Sul para a construção.

Ele diz que o projeto preliminar do navio e a engenharia naval foram concluídos e espera estar pronto para uma viagem inaugural nesta década.

“Acho que 2025 é possível para nós. É apenas uma questão de a escassez de chips ser resolvida nos próximos seis meses, mais ou menos, e termos todo o financiamento em vigor”, diz ele, acrescentando que o dinheiro virá de investidores privados e também de “instrumentos bancários tradicionais”.

Movido por energia nuclear?
Se for construído, o Terra 300 destronaria até mesmo o maior superiate do mundo – o Azzam, de 179 metros / Cortesia/Earth 300

Inicialmente, o navio usará combustíveis sintéticos verdes, mas para satisfazer a exigência de ser totalmente livre de emissões, Olivera planeja, eventualmente, reformar um reator de sal fundido, um tipo moderno de reator nuclear.

Isso permitiria ao navio permanecer no mar por tempo indeterminado, com total autonomia energética. Assim como o computador quântico, no entanto, essa tecnologia ainda não existe, mas está sendo desenvolvida pela empresa britânica Core Power em colaboração com a TerraPower, uma empresa de engenharia nuclear presidida por Bill Gates.

É uma das várias entidades que anunciaram laços com o projeto, incluindo a IBM, o estúdio de arquitetura naval Iddes Yachts e a empresa de classificação de navios RINA.

Quando questionado sobre quais pessoas famosas ele gostaria de ter a bordo, Olivera responde com uma lista de nomes que ele chama de “os suspeitos de sempre”: Elon Musk, Michelle Obama, Greta Thunberg, a autora de “Sem Logo” Naomi Klein e fundadora da marca de roupas Patagonia Yvon Chouinard.

Seu plano, no entanto, é emparelhar esses VIPs com um conjunto de “pessoas muito inspiradoras” não famosas de todas as esferas da vida, de todas as idades e de todas as culturas, que não teriam que pagar pelo ingresso, mas ainda assim conseguiriam ficar em uma das suítes luxuosas.

“É assim que estamos democratizando a experiência, ao permitir o embarque de pessoas que nunca poderiam – em um milhão de anos – pagar pela passagem.”

Via: CNN

Sistema de inutilização de cédulas usadas por bancos corta as notas em meia-lua 
Imagem: Reprodução

O mega-assalto a uma central de distribuição de dinheiro do Banco do Brasil na madrugada de 30 de agosto em Araçatuba (SP) só fracassou por causa da eficácia de um sistema de segurança acionado em tempo real que retardou a ação da quadrilha, possibilitando a destruição das cédulas guardadas no local.

Após a invasão, houve acionamento automático de neblina com gás de pimenta, sirene de alta potência e uma tecnologia com luzes piscantes para causar confusão mental nos invasores. Os criminosos pretendiam levar cerca de R$ 90 milhões armazenados em cofres.

Apesar de a empreitada ter fracassado, o assalto com mortes, reféns usados como escudo humano e uso de explosivos é apontado pelo Fórum de Segurança Pública como o mais violento nos últimos dois anos pelo "novo cangaço", tática também conhecida como "domínio de cidades". O número de detonadores foi o maior da história do país, segundo levantamento da Associação Mato-Grossense para o Fomento e Desenvolvimento da Segurança.

Enquanto carros eram incendiados em vias públicas para dificultar o acesso das forças de segurança a Araçatuba, ao menos 15 homens participaram da detonação para invadir a agência.

O alvo do roubo foi a sede do Seret (Setor de Retaguarda e Tesouraria) do Banco do Brasil, centrais de distribuição de cédulas para outras agências bancárias que executam a função do Banco Central em cidades do interior.

Foi a primeira vez que o sistema, implementado neste ano nas sedes do Seret, destruiu as cédulas em um cofre.

Agência bancária destruída após ataque de bandidos em Araçatuba (SP)Imagem: Redes sociais - 30.ago.2021

Neblina com gás de pimenta
Após a invasão à agência bancária com o uso de explosivos, foi acionado automaticamente um gerador de neblina com gás de pimenta. A ação foi parcialmente neutralizada pelos criminosos com a utilização de um duto capaz de retirar parte da fumaça do local.

Esse sistema já foi instalado em mais de 20 mil instituições financeiras, segundo a AlarmTek, empresa responsável pela integração desse tipo de tecnologia nos bancos.

"A defesa consiste no uso de camadas. A primeira proteção [o gás de pimenta] tira a visibilidade do criminoso e causa irritabilidade nas mucosas", explicou o advogado Douglas Prehl, vice-presidente da empresa e ex-diretor de segurança do Santander.

Segundo ele, foram feitas mais de 15 mil análises de ataques a instituições financeiras no país para implementar o sistema de segurança.

Sirene e luzes piscantes
Um sistema com sirene de alta potência e luzes piscantes também dificultou a ação dos criminosos.

A tecnologia causa confusão mental e pode romper com os tímpanos de uma pessoa em apenas quatro minutos. "Esse sistema também causa tontura e passa uma impressão de câmera lenta", disse um especialista.

Sistema retardou ação de quadrilha
Sistema de inutilização de cédulas corta notas; método impediu roubo de R$ 90 milhões em Araçatuba (SP) Imagem: Reprodução

A segunda camada de proteção é a destruição das cédulas, acionada automaticamente após a invasão e com autonomia de até oito horas, mesmo em caso de corte de energia elétrica. Hoje, há cerca de 80 cofres com esse tipo de tecnologia no país, segundo a empresa responsável pela implementação do sistema.

Prehl disse ainda que o acionamento do sistema de segurança com neblina e sirene retardou a ação da quadrilha em Araçatuba. Ele estima que os criminosos tenham levado cerca de 40 minutos para chegar à sala-cofre, composta por armação em concreto e aço.

Nesses locais, há cofres com gavetas e sistema de destruição de notas. "Quando conseguiram chegar ao cofre, os criminosos só encontraram papel picado. Não havia mais dinheiro porque o sistema de destruição já tinha sido ativado desde o momento da invasão", explicou.

Cédulas destruídas com cortes em meia-lua
O sistema utilizado para a inutilização de cédulas envolve a trituração das notas seguida de entintamento com um produto químico vermelho.

Há três modelos de picotamento das notas: guilhotina, sistema com furo no meio ou nas bordas das cédulas e corte em meia-lua, usado nos cofres de Araçatuba.

A inutilização leva entre cinco e dez minutos, incluindo o uso de uma tinta sobre o dinheiro. A ação, contudo, mantém 51% de cada nota preservada para que o material danificado seja levado à Casa da Moeda para reimpressão e não haja prejuízo à instituição.

"A ideia é popularizar o sistema de defesa não só para bancos. Como os criminosos não estão conseguindo acessar o dinheiro, o 'novo cangaço' vão migrar para postos de combustível, lotéricas e lojas. Esses estabelecimentos precisam estar preparados para evitar roubos" Douglas Prehl, especialista no setor

Sistema opera em carros-forte há dois anos, diz associação
O advogado Ruben Schechter, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Transporte de Valores, diz que esse tipo de tecnologia já é utilizada há ao menos dois anos em carros-forte.

Segundo ele, a eficácia do sistema contribuiu para a migração dos ataques para os bancos. "Muitas vezes, esses locais [agências do Seret] não estão preparados para impedir os ataques", analisa.

O delegado Pedro Ivo Correa dos Santos, da 5ª Delegacia de Investigações sobre Furtos e Roubos a Bancos da Polícia Civil de São Paulo, diz que o armazenamento em grandes quantidades nessas agências precisa ser repensado.

"Não é a atividade principal dessas agências. E isso precisa ser repensado com urgência em cidades pequenas. Quando essas agências foram construídas há 40 anos, não se imaginava que armazenariam tanto dinheiro. A estrutura delas não acompanhou essa mudança do sistema financeiro. Mas a polícia hoje tem treinamento e capacidade para reagir em um tempo menor", disse.

Em nota, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) informou que as grandes agências possuem centrais de monitoramento em tempo real, com acionamento às autoridades em caso de tentativa de roubo. "Os serviços de segurança são fornecidos por empresas especializadas com autorização de funcionamento expedida pelo Departamento de Polícia Federal", revelou em um dos trechos do texto.

Fonte: Uol


Dias após apresentar diversos novos headsets e caixas de som portáteis, e de anunciar a chegada dos fones Live Pro Plus TWS ao Brasil, a JBL traz agora ao país a caixa de som Bluetooth BassPro Go. O dispositivo se destaca pelo formato curioso, munido de uma base especial para automóveis, prometendo som de alta potência, resistência e versatilidade.


BassPro Go se destaca pelo formato 2 em 1
O maior destaque da BassPro Go é o formato 2 em 1 — trata-se de uma caixa de som Bluetooth bastante encorpada, acompanhada de base fixa que deve ser acoplada em carros, geralmente no porta-malas, para se transformar em um subwoofer automotivo, sem deixar a portabilidade de lado ao permitir desconexão rápida do veículo.


A JBL destaca como o acessório é conveniente, atendendo às suas necessidades de acordo com o momento, além de robusto, contando com certificação IPX5 de resistência a respingos de água.


A caixa é equipada com sistema de som que garante 100 W de potência RMS e entrega resposta de frequência entre 40 Hz e 20 kHz, a -3 dB, contando ainda com Bluetooth 4.2 para se conectar a até três dispositivos simultaneamente ou outras duas BassPro Go para entregar som mais robusto, com a tecnologia JBL Connect.


A bateria tem capacidade de 3.000 mAh e promete até 8 horas de autonomia, trazendo carregamento via porta USB 2.0 com potência de 10,5 W. O acessório também atua como uma power bank, sendo capaz de recarregar celulares e outros dispositivos móveis.
Preço e disponibilidade

A JBL BassPro Go já está disponível através do site oficial da JBL, apenas na cor preta, com preço sugerido de R$ 3.499.


JBL BassPro Go: ficha técnica
  • Potência do amplificador, modo subwoofer: 100 W RMS
  • Reposta de frequência: 40 Hz a 20kHz a -3 dB
  • Filtro lowpass, modo subwoofer: 80/100/120 Hz
  • Reforço de graves: 0dB até +6 dB a 45 Hz
  • Versão do Bluetooth: 4.2
  • Bateria: 3.000 mAh, com carregamento via USB 2.0 de 10,5 W (5V/2,1 A)
  • Potência do fusível: 15 A

Fonte: JBL

Desde o Último dia 17 de Setembro o instagram passou a exibir o desenho de "Corrente" acessível na parte de figurinhas para substituir o famosos "Arrasta pra cima"


Semanas atrás já era possível vê avisos sobre a mudança logo ao abrir o App, A novidade chega pra aposentar de vez todos os Gifs que tanto fizeram sucesso de "arrastar pra cima".

Imagem: Mario Batista

O novo modo de colocar links nos Stories muda para a parte de figurinhas na opção "Link"

Imagem: Mario Batista

Imagem: Mario Batista

Ao clicar nessa nova figurinha o usuário poderá colocar o link desejado (Semelhante a função arrastar antiga)

Imagem: Mario Batista

Com a atualização dessa função, diferentemente do antigo "Arrasta pra cima", o link que o usuário inserir ficará visível no Story (Mas apenas a parte principal do domínio).

Reprodução: Honey Gain

Recentemente lançamos aqui no MultiMidia Info um artigo onde falamos dos avisos emitidos pelo sistema de proteção do Google Play (Play Protect) sobre os riscos que os usuários estavam suscetíveis a passar ao continuar utilizando o App Honey Gain, o sistema até desabilitou o App dos dispositivos, cabendo ao usuário reativa-lo novamente.

Em resposta ao nosso comunicado via Email a equipe Honey Gain nos explicou o seguinte;


"O aviso que você recebeu não é um caso isolado em relação à Honeygain. Devido a certas atualizações feitas no serviço Play Protect do Google, uma grande quantidade de aplicativos baixados via download comum (instalados diretamente por meio de arquivos .apk em vez de baixados da Play Store) foram afetados pelo mesmo aviso.

Fique tranquilo, assim como o processo de instalação em si não requer dados pessoais ou quaisquer permissões, o aplicativo Honeygain não pode causar danos ao seu dispositivo.

Nós simplesmente sugerimos continuar com o uso e instalação do aplicativo. Você pode fazer isso expandindo a seção "Detalhes" e pressionando o botão "Instalar mesmo assim".

Além disso, sugerimos atualizar o aplicativo para a versão mais recente, pois isso resolve o problema do aparecimento do aviso falso.

Apenas a versão 0.9.1 do aplicativo Android foi sinalizada como falsa.

Todas as versões anteriores (0.2.0–0.9.0 e 0.9.2 (a versão mais recente)) não são afetadas."

No comunicado ao MultiMidia Info o Gerente Sênior de atendimento ao cliente ainda nos informa que o usuário poderá baixar a versão mais recente do aplicativo Honeygain para Android através desse Link.

Mais informações sobre esse problema podem ser encontradas aqui (Somente em Inglês)

Reprodução: honeygain

Vários aplicativos baixados fora da Play Store vem sofrendo o mesmo tipo de aviso por parte do sistema de proteção Play Protect do Google, alguns são apenas erros de atualização como o caso da Honey Gain, mas fique atento e sempre se preocupe em checar com cuidado as fontes de onde você esta baixando seus aplicativos, assim como o Honey Gain que usa cerificado SLL em seu site, baixe apenas aplicativos de fora da Play Store em sites confiáveis que tenham boas referências.

Reprodução: Honey Gain

Confira o trabalho desse talentoso Artista e ilustrador Digital


O Artista Digital e ilustrador de pseudônimo Samukarts em suas redes sociais "reimagina" os personagens de Dragon Ball Z como os amados personagens de Chaves.


































Com software de edição de imagem o Artista digital traz realmente a vida personagens tão queridos e distintos da Ásia e America Latina ao mesmo tempo, seu instagram já se aproxima dos 20 mil seguidores e o número de fãs só tende a crescer já que o artista posta muito conteúdo da cultura Nerd.



Em suas ilustrações Roberto Gómez Bolaños, o amado personagem chaves, se transforma no Androide 17, já o personagem de María Antonieta de Las Nieves, a Chiquinha, seria a Androide 18. Carlos Villagrán, o bochechudo Quico, se transforma no Androide Cell.


Édgar Vivar, o Sr. Barriga e o Nhonho, encarnam o Androide 19, já o Rubén Aguirre, o Professor Jifafales seria o Androide 16. E com destaque especial para Eterno e engraçadíssimo Seu Madruga (Ramón Valdés), como o Dr. Maki Gero, criador dos Androides.

































Confira as Redes Sociais do Artista: Instagram / Facebook

MKRdezign

Fale com o MultiMidia Info

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget