Fevereiro 2017

Você já ficou em dúvida entre instalar a versão 32-bits ou 64-bits de algum programa? Se sim, este texto pode lhe interessar. Vamos falar de qual é a diferença entre esses dois padrões, quando é possível misturá-los e qual é a melhor versão para se instalar em cada situação.

Até 2003, apenas processadores 32-bits eram compatíveis com o Windows. A AMD, no entanto, lançou naquele ano um processador 64-bits compatível com o sistema operacional. A partir dessa data, a Microsoft começou a pensar em melhorar seu software para aproveitar essa nova capacidade dos processadores.

Atualmente, a maioria dos processadores novos são 64-bits. Mas processadores 32-bits, e versões do Windows específicas para esses processadores, ainda existem, o que acaba causando confusão em alguns usuários. Saiba qual é a diferença entre eles.

Bits e código binário

Um bit é a unidade mínima de informação para computadores. Cada bit pode ser 1 ou 0. Por isso, diz-se que os computadores funcionam com códigos binários: no nível microscópico, a informação e manuseada pelos computadores na formas de trilhões de sequências de 1s e 0s.

O código binário permite escrever qualquer número inteiro, da seguinte forma: cada 1 ou 0 se refere a uma potência de 2. O primeiro, a 20; o segundo, a 21, e assim por diante. O computador vê uma sequência de dígitos, multiplica cada potência de 2 (da esquerda para direita) por 0 ou 1 e chega a um número.

A sequência 10, por exemplo (de dois bits), equivale a 2 (0x20 + 1x21). A sequência 111 tem três bits, e equivale a 7 (1x20 + 1x21 + 1x22). A sequência de 4 bits 1001 equivale ao número 9 (1x20 + 0x21 + 0x22 + 1x23). Como se pode perceber, quando mais bits você usa, mais números você consegue escrever.

Processadores

Para processadores, os termos 32-bits e 64-bits referem-se ao tamanho de seu registro. O registro de um processador é o local onde ele armazena os "endereços" dos dados que ele precisa acessar mais rapidamente para funcionar bem. Esses "endereços" são números por meio dos quais o processador pode acessar a informação de que precisa.

Processadores de 32-bits conseguem guardar um total de 232, ou 4.294.967.295 endereços diferentes. Esses endereços apontam para a memória RAM, onde as informações de que o processador precisa ficam armazenadas. 

Por esse motivo, processadores de 32 bits só conseguem aproveitar, no máximo, 4GB de RAM. A máquina pode até ter mais memória instalada, mas o processador não conseguirá acessá-la, pois só consegue distribuir endereços para os primeiros 4 GB.

Processadores de 64 bits, por sua vez, conseguem guardar 264, ou 18.446.744.073.709.551.616 endereços diferentes! Por esse motivo, podem acessar muito mais RAM do que seus companheiros mais novos. Eles conseguiriam distribuir endereços para 17 bilhões de GB de RAM, mas computadores atuais raramente suportam mais que 64GB.

Além de ser capaz de acessar mais RAM, os processadores de 64-bits também conseguem acessá-la de maneira mais rápida e eficiente, o que acaba deixando o computador mais rápido também.

Sistemas operacionais

O sistema operacional é o software que diz ao computador como deve utilizar seus componentes. De certa forma, ele ensina ao computador como deve funcionar. Dessa forma, mesmo que o seu processador seja de 64-bits, ele não aproveitará esse tamanho expandido de registro se você não instalar um sistema operacional de 64-bits também!

Para saber se o seu processador é 32-bits ou 64-bits, uma série de programas podem ser utilizados, tais como EverestCpuZ e CCleaner. São programas pequenos que podem ser baixados da internet.

Para saber se o seu Windows é 32 ou 64-bits, vá no menu iniciar, clique com o botão direito em "Computador" e selecione "Propriedades". Na janela que se abrirá, verifique, sob a aba "Sistema", a informação "Tipo de Sistema". A resposta deve estar lá.

Se o seu processador é 64-bits, é sempre melhor instalar um sistema operacional de 64-bits também, para que ele possa funcionar com o máximo de sua capacidade. Processadores de 64-bits podem rodar sistemas operacionais de 32-bits, mas só poderão acessar 4GB de RAM, e terão um desempenho inferior. Processadores de 32-bits, por sua vez, não conseguem rodar sistemas operacionais de 64-bits!

Outros programas

Alguns programas e aplicativos também já estão disponíveis em versões 32-bits e 64-bits. Uma das vantagens das versões 64-bits é que elas podem usar mais memória. Programas 32-bits podem acessar apenas uma quantidade limitada de RAM, que depende também do processador e do sistema operacional. 

Um programa 64 bits, por sua vez, pode acessar muito mais RAM. Por isso, tarefas que consomem volumes muito grandes de RAM, como edição de vídeos em HD, funcionarão consideravelmente melhor em versões 64-bits.

Mas cuidado: os programas e aplicativos 64-bits só funcionarão se instalados em cima de um sistema operacional de 64-bits também! Em outras palavras, se o seu processador ou sistema operacional funcionar em 32-bits, você não conseguirá instalar a versão 64-bits do programa.

No entanto, se o seu processador e sistema operacional são 64-bits mas o programa possui apenas versão 32-bits, não tem problema. Será possível instalá-lo e utilizá-lo normalmente.

Resumindo:

Se o seu processador é 64-bits, é melhor instalar um sistema operacional 64-bits.

Um processador 64-bits suporta sistemas operacionais 32-bits (embora não funcione em plena capacidade), mas processadores 32-bits não suportam sistemas operacionais 64-bits.

Aplicativos 64-bits só funcionarão se o processador e o sistema operacional forem 64-bits também.

Não há problema em instalar aplicativos 32-bits em sistemas operacionais e processadores 64-bits.

(Foto: Reprodução)

Os jogos são importante fonte de renda e diversão no Facebook, mas é fácil encontrar quem não suporta receber notificações sempre que os amigos acham que devem sugerir um FarmVille, Candy Crush etc. O que nem todo mundo sabe é que há como bloquear essas sugestões.

Você não tem como optar por jamais ser convidado para um jogo ou aplicativo novo, mas pode riscar um título que já foi oferecido - e também o usuário que fez a recomendação.

Para isso, vá ao link de jogos que fica na barra lateral esquerda e clique em "Solicitações" - ou neste link aqui.

Lá, acione cada "X" que estiver ao lado de aplicativos e jogos. Quando fizer isso, você ainda poderá optar por nunca mais receber solicitações da pessoa que te mandou aquilo e bloquear de vez o app, evitando que outro usuário tente recomendá-lo.

BrianAJackson/Thinkstock
Hacker usa computador: as fotografias eram tiradas de forma consensual pelo casal, mas, depois, acabavam sendo postadas sem permissão

Anualmente, a consultoria SplashData divulga uma lista com as senhas mais usadas por internautas que tiveram seus dados vazados na internet. A empresa analisou mais de 2 milhões de palavras e números que foram usados para proteger contas de serviços na web, como Facebook ou Twitter.

Pelo terceiro ano consecutivo, a senha mais usada foi "123456", seguida pela palavra "password", como informa o Gizmodo

Grande parte das senhas consiste em palavras em inglês, mas há também combinações comuns de caracteres, como qwerty (as cinco primeiras letras da primeira linha do teclado ABNT), bem como outras variações de sequências numéricas simples.

A AVG Technologies ensina uma técnica simples para criar uma senha forte. Escolha três palavras aleatórias, como raio, âncora e planeta. Colocando-as juntas e incluindo letras maiúsculas, um símbolo e um número, obtemos o seguinte: Raio!ancorAplaneta4. Então, coloque uma sigla relacionada ao serviço no qual você usará a senha, como Raio!ancorAplaneta4FB, no caso do Facebook.

Confira a seguir a lista da SplashData com as 25 senhas mais usadas entre internautas que tiveram seus dados vazados em 2015.

1. 123456 

2. password 

3. 12345678 

4. qwerty 

5. 12345 

6. 123456789 

7. football 

8. 1234

9. 1234567

10. baseball 

11. welcome

12. 1234567890

13. abc123 

14. 111111 

15. 1qaz2wsx

16. dragon

17. master 

18. monkey

19. letmein

20. login 

21. princess 

22. qwertyuiop

23. solo 

24. passw0rd

25. starwars

Full HD
(Foto: Divulgação)

A polícia investiga as imagens obtidas da câmera de segurança de uma loja que foi assaltada. Em cenas borradas e granuladas, é possível ver os criminosos entrando, todos encapuzados, ameaçando os funcionários e assaltando o caixa. Ninguém pode ser identificado. Mas, enquanto eles fogem, a câmera captura, de longe, a placa do carro dos assaltantes.

Os policiais tentam dar zoom, aproximar a imagem, mas não adianta: a resolução da câmera não é suficiente e o carro não pode ser identificado. Esse é um dos motivos pelos quais a resolução das câmeras de um CFTV (circuito fechado de TV) é importante.

Resolução

Quando falamos em resolução, falamos, grosseiramente, em qualidade da imagem. No caso de imagens digitais, utilizamos números para ilustrar: 1280x720 pixels, por exemplo (resolução HD). Esses números representam a quantidade de pixels que a imagem capturada terá.

Cada pixel é um pontinho de luz colorida. Naturalmente, quanto mais pontinhos coloridos a imagem tiver, maior será o seu nível de detalhamento. Em geral, ouvimos os termos “resolução HD”, “Full HD” e mesmo “4K” associados a monitores e a aparelhos de TV, como uma forma de registrar a beleza das imagens que eles nos mostram.

Informação

De fato, imagens em resoluções elevadas tendem a ser percebidas como mais “bonitas”, porque oferecem mais detalhes a nossos olhos. No entanto, essa está longe de ser a única vantagem das altas resoluções. É necessário lembrar que, antes de mais nada, imagens são informação. E, quanto maior a resolução delas, mais detalhada será a informação.

Ainda que duas câmeras - uma delas analógica de baixa resolução, e a outra Full HD - consigam “enxergar” exatamente a mesma cena, aquela com a maior resolução oferecerá mais detalhes dessa cena. Assim, mesmo que seja necessário dar zoom para identificar algum objeto distante (como o carro dos assaltantes do exemplo acima), a câmera Full HD será a melhor escolha.

Segurança

Isso é especialmente importante para lojas e serviços que estejam montando um circuito fechado de TV (CFTV). A maior quantidade de detalhes oferecida pelas câmeras de resoluções elevadas permite que você tenha um conhecimento avançado sobre o que acontece no seu ambiente. A informação adicional que elas trazem se traduz em segurança adicional.

Como boa parte dos equipamentos de segurança, as câmeras são um investimento que, espera-se, nunca ser necessário à sua utilização. Na triste eventualidade de que as imagens do CFTV venham a ser necessárias, no entanto, é crucial que elas sejam de alta qualidade, para que as suas câmeras não apenas inibam crimes, mas também ajudem a solucioná-los.

A Intelbras possui uma série de soluções de câmeras digitais de alta resolução para todos os tipos de negócios. A empresa também oferece todos os equipamentos necessários para a construção de um sistema de CFTV, capazes de atender desde microempresas até grandes empreendimentos. Em alguns casos muitos pensam que CFTV de resolução HD ou Full HD é caro, entretanto, a Intelbras disponibiliza um portfólio completo de câmeras da linha HDCVI acessíveis para residências, estabelecimentos comerciais, indústrias, condomínios entre outros, atendendo as mais variadas aplicações e necessidades.

veja o comparativo entre a resolução analógica e HDCVI.

(Foto: Divulgação)

Recarregar o celular quando ainda há carga destrói a vida útil da bateria? A navegação anônima é realmente anônima? Mais megapixels significam uma câmera melhor? Confira abaixo 11 mitos bastante comuns da tecnologia e não não caia mais nessas:

1. Macs não pegam vírus

Há uma crença muito forte de que os computadores da Apple não são suscetíveis a malwares, incentivada inclusive pela própria empresa, que costumava dizer que seus PCs não eram tão vulneráveis quando os Windows. Mas não é bem assim: em 2012 um trojan afetou milhares de computadores Mac, o que causou até uma mudança na estratégia de marketing da companhia. Na dúvida, é sempre bom ficar atento e usar a internet com segurança.

2. A navegação em modo privado mantém o usuário realmente anônimo

Navegar em modo anônimo significa somente que o navegador não vai guardar o histórico de navegação, importar os favoritos ou entrar automaticamente nas contas do usuário. Apesar de evitar que outras pessoas saibam o que é acessado, o recurso não mantém a identidade oculta nos sites visitados.

3. Deixar o celular conectado ao carregador destrói a bateria

Muitas pessoas acreditam que deixar o celular conectado ao carregador mesmo depois de a bateria estar totalmente carregada pode prejudicar a vida da bateria do telefone, mas não há nenhum indício de que isso aconteça. Smartphones atuais vêm com baterias de íon-lítio, que são inteligentes o suficiente para parar de carregar quando atingem a capacidade total.

4. Carregue o celular só quando a bateria estiver quase no fim

Outro mito muito popular sobre as baterias. Na verdade, pode ser melhor ainda carregar o dispositivo antes de a bateria ser drenada totalmente. As baterias têm um número limitado de ciclos de carga antes de perderem a capacidade de reter energia. Os ciclos são definidos como o carregamento de um aparelho de 0 a 100% de sua capacidade. Por isso, não fique preocupado: carregar com um pouco de bateria evita “gastar” mais um ciclo completo.

5. Mais megapixels significam sempre uma câmera melhor

A qualidade de uma foto é determinada em grande parte pela quantidade de luz que o sensor da câmera é capaz de absorver, e não pela quantidade de pixels do dispositivo. O que realmente importa é o tamanho dos pixels, e não seu número. “ Funciona mais ou menos como segurar um dedal em uma tempestade para tentar pegar água.Quanto maior for o dedal, mais fácil é pegar mais gotas em um curto período de tempo ", explica o fotógrafo profissional Mattew Panzarino.

6. Quanto maior a resolução de tela em um smartphone, melhor

Nem sempre. Alguns especialistas afirmam que em determinado ponto, a resolução da tela simplesmente não faz diferença, já que o olho humano não consegue discernir melhorias na imagem quando ela ultrapassa 300 pixels por polegada.

7. É ruim usar o carregador do iPad no iPhone

Na verdade, este mito é um pouco mais complicado. Apesar de o site da Apple afirmar que o carregador do iPad pode servir tanto para o tablet quanto para o smartphone, há indícios de que a utilização prolongada (todos os dias por mais de um ano, no mínimo) pode tornar a bateria do iPhone menos eficiente

8. Não é bom desligar o computador todos os dias

Muita gente costuma deixar o notebook em modo de espera, para garantir que aplicativos utilizados estejam ao alcance das mãos rapidamente, mas a verdade é que é bom desligar a máquina regularmente. Fazer isso economiza energia e “dá um tempo” para os componentes do PC, contribuindo para sua longevidade.

9. Segurar um imã perto do PC vai apagar todos os seus dados

A ideia não está errada, mas seria necessário ter um imã realmente grande para acabar com o HD de um computador. Pode ficar tranqüilo: um imã de geladeira não vai causar nenhum estrago.

10. Celulares dão câncer cerebral

Quase todo mundo sabe que os telefones emitem uma radiação que pode ser absorvida pelo tecido humano, mas não há evidências conclusivas que mostram a ligação entre os aparelhos e o câncer. Veja o que o Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos diz: 
"Embora existam preocupações de que a radiação emitida por telefones celulares afete o cérebro e outros tecidos, até agora não há nenhuma evidência de estudos de células, animais ou seres humanos que a energia de radiofreqüência possa causar câncer".

11. Mais sinal garante uma internet mais rápida

As barras de sinal não garantem necessariamente uma boa recepção, elas apenas indicam que o usuário está perto de uma torre de celular. Outros fatores interferem na velocidade da internet, como o número de pessoas que utilizam a mesma rede, por exemplo.

Quase todo mundo que tem um computador ou um smartphone já experimentou a edição de fotos em algum momento, mas o que torna este o mestre do retoque é a sua habilidade que está acima e além de qualquer filtro do instagram.

Max Asabin, um artista digital russo coloca várias imagens uma sobre a outra e combina sem deixar marcas, criando um aspecto incrível. 

Ele faz isso através do corte das bordas de cada imagem em primeiro plano, adicionando sombras e luzes, e ajusta a cor geral para torná-la bem realista. 

Com essa técnica, você pode facilmente transportar a qualquer um dentro de suas paisagens deslumbrantes.

Max tem mais de 35.000 seguidores no DeviantArt, onde normalmente faz upload de suas obras.











Todas as fotos são de: maxasabin.deviantart.com

Confira o vídeo sobre a matéria: 


Mais informações: DeviantArtVKTwitterInstagramYouTubeTumblr

MKRdezign

Fale com o MultiMidia Info

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget